segunda-feira, 27 de agosto de 2018

MAWACA

O MAWACA é um grupo que pesquisa e recria a música das mais diversificadas partes do globo.
É formado por um grupo vocal que interpreta canções em mais de 20 línguas e as cantoras são acompanhadas por um grupo instrumental acústico: acordeom, violoncelo, flauta e sax soprano, contrabaixo, além dos instrumentos de percussão como as tablas indianas, derbak árabe, djembé africano, berimbau, vibrafone, pandeirões do Maranhão.
O repertório do grupo é formado por músicas de tradições díspares como a japonesa e a irlandesa; de países tão distantes entre si como Finlândia e Japão, África Central e Indonésia, regiões diferentes como Oriente Médio e Península Ibérica. São temas ancestrais que possibilitam a pesquisa de sonoridades múltiplas revelando as características étnicas locais buscando sempre estabelecer inter-relações com a música brasileira.
Com arranjos inovadores e criativos, o Mawaca apresenta uma musica vibrante, pérolas do repertório mundial que foram transmitidas de geração em geração pela tradição oral. As transcrições e arranjos desses temas ancestrais são realizados por Magda Pucci que, além de desenvolver a pesquisa de repertório, é também responsável pela direção musical do grupo.
(foto: Eduardo Vessoni)
(foto: Eduardo Vessoni)
Com 21 anos de carreira, o Mawaca produziu sete álbuns e três DVDs, cujo último trabalho é o CD-DVD Inquilinos do Mundo – projeto focado nas músicas dos povos ciganos, nômades, migrantes, exilados e refugiados. Entre seus últimos trabalhos destacam-se o DVD Rupestres Sonoros, trabalho voltado para os cantos indígenas da Amazônia com um interessante entrelaçamento com a arte rupestre brasileira que contou com uma turnê pela Amazônia patrocinada pela Petrobras; e o DVD Ikebanas Musicais onde são apresentadas pérolas do repertório tradicional japonês entrelaçadas a musicalidade brasileira.
O Mawaca exemplifica com sua música questões que passam pelo pluralismo cultural. Assim, vem buscando abrir olhos e ouvidos do seu público sobre questões ligadas a tolerância religiosa assim como às diferenças raciais, e fazer compreender as diferenças étnicas entre os povos, seja ele, o homem indígena do norte do Brasil ou o muçulmano árabe ou o refugiado africano assim como as questões femininas sempre presentes no universo sonoro do grupo.


Veja o que já falaram sobre o Mawaca
“O Mawaca conseguiu extrapolar os rótulos, evitando o principal aspecto negativo do gênero world music mixture que é tentar embelezar tudo e universalizar todos os sons, compondo um pavilhão musical grotesco. Não é o caso do Mawaca. Eles transmitem a alegria de cada música, de uma maneira muito natural. Músicas de Portugal, Índia, Oriente Médio, Brasil e seus índios e Japão entrelaçam–se e viram uma música única, a música do Mawaca, com intenção e ambientação, típicas do grupo”. (Shini Onodera – crítico japonês) 

“Pesquisa feita com alta sensibilidade. Esta pode ser a melhor descrição para o octeto vocal paulistano em seu CD de estréia” (Luís Antonio Giron – Gazeta Mercantil)

“Mawaca junta sonoridades e estilos, com sensibilidade e imaginação” (Revista Bravo!)


“O Mawaca é o único grupo brasileiro que faz ‘world music’ de verdade em qualquer parte do mundo.” (Chico César – Cantor e Compositor Brasileiro)


“Este CD astrolabio tucupira.com brasil é uma emocionante aula de música brasileira e de vários cantos do mundo. Primoroso !! (Revista Miltons)

SONGLINES MAGAZINE – Review by Jill Turner – November 2009 **** ( Four stars)
“Percussion, minimal instrumental accompaniment, vocal chants, improvisations and ambient sounds are layered to create a musical tapestry which is primordial, ritualistic, bold and dramatic in nature. Polyphonic choirs congregate with global shaman to unleash the magical power of words and the hypnotic qualities of drums. The ceremonies begin, spirits evoked, the creator appeased and finally the world is brought back from an apocalyptic brink.

Sounding similar to a Philip Glass opera, the overall feel is one of a performance soundtrack to a contemporary dance piece perhaps, no surprise, given Mawaca’s sell out theatrical stage shows. For “Rupestres Sonoros”, their sixth studio album, they stay closer to their Sao Paulo home and gather songs and stories of the Kaxinawa, Surui, Gavião and the Wari people of Amazonia. 
Voices are used to create rhythm, singing in ancient languages with the addition of vocal improvisations, inspired by the rock carvings from Brazil’s archeological heritage. The “testimonies in stone that make us reflect on our human condition”, cites Magda Pucci, the group’s musical director and arranger, who successfully demonstrates that metaphysical questions remain the same irrespective of our time or place on the earth. ‘Tamota Moriore / Kokiriko no Bushi’ explores commonality between both Japanese and Brazilian customs. ‘Waiko Koman’ is the sound of chaos, the explosion that created the earth, knowledge held by the Suruí Meticulous research and a desire to pay homage to the indigenous people, sees Marlui Miranda lending her support with a vocal solo on ‘Matsã Kawa’. In addition to the music, there’s plenty to explore with the accompanying forty page illustrated booklet detailing musicians, the lyrics and background to each song plus references to the numerous field recordings and academic texts. Currently written in Portuguese this may change with a full international release”.


Conheça a discografia do MAWACA. Saiba mais

SHOWS INTERNACIONAIS
2000 – Brasil:
 Festival Internacional de World Music – SESC Vila Mariana
2001 – Brasil: Rock in Rio – Tenda Raízes
2002 – Espanha: Turnê em Etnosur, Suristan, Santiago de Compostela
2003 – Espanha: Sevilha – Womex – Festival de World Music
2006 – Alemanha: Berlim – Festival Popkomm
2007/2008: Bolívia – La Paz, Sucre e Santa Cruz de la Sierra – Festivais de teatro e de música
2010 – China: Universal Expo Shangai
2010 – Portugal: Festival de Serpa
2011 – China: Leisure Fair Festival – Hangzhou
2012 – Grécia: ISME – Congresso Internacional de Educação Musical em Thessaloniki com Antônio Nobrega e Yamandu

Mawaca nas redes
Website: www.mawaca.com.br

Itunes: 
http://itunes.apple.com/us/artist/mawaca/id160437467
Facebook: www.facebook.com/grupomawaca
Twitter: www.twitter.com/grupomawaca
Google+: https://plus.google.com/+MawacaBr
Soundcloud: www.soundcloud.com/mawaca
Flickr: www.flickr.com/grupomawaca
Youtube: www.youtube.com/mawaca
Distribution in Brazil: Tratore (www.tratore.com.br)
International Distribution: Virtual Label (www.virtuallabel.biz)
China Distribution: Sinergy
Publishing – Bertelsmann Brasil: www.bertelsmann.com.br / contato@bertelsmann.com

Ethos Produtora de Arte e Cultura – Ethos Music
R. Américo Brasiliense 2171 cj. 702
CEP 04715-004 – São Paulo – Brazil
Tel. 55 11 5181 5099 Fax 55 11 5182 9619
Celular 55 11 99268 4065

Se vc gostar adquiri o original, valorize a obra do artista.

RUPESTRE SONOROS O CANTO DOS POVOS DA FLORESTA
Download
TERRA BRASILIS


 PRA TODO CANTO
Download
TERRA BRASILIS

domingo, 26 de agosto de 2018

OSNI RIBEIRO - ARREDORES (EXCL. T . B)

“Um disco inspirado, enraizado, por trazer no bojo das canções a sonoridade já transmutada do universo caipira e contemporâneo por atualizar a importância do cantar e do tocar no cotidiano externo e interno das pessoas.  Para encher nossos ouvidos e transbordar os nossos corações”.
Este comentário é de Ivan Vilela, compositor, arranjador, pesquisador, professor e violeiro brasileiro,  professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e diretor da Orquestra Filarmônica de Violas, referindo-se ao CD “Arredores”,  do cantor e compositor botucatuense Osni Ribeiro.
Nesse novo trabalho com 15 faixas (sendo quatro delas instrumentais),  Osni  Ribeiro, mescla composições antigas e consagradas em festivais com melodias atuais, além de trazer clássicos de Angelino de Oliveira (Prece de Caboclo),  Serrinha (Vou Buscar Boiada) e Raul Torres (Gostei da Morena) e participação de grandes músicos que fazem uma grande diversidade de instrumentos.
O CD traz “Paixão Violeira”;  “Arredores”, “Viola Santa”, “Mais um Rei de Cantoria”;  “Brinquedo”, “Cidades”;  “Quadrinhas de Boi” (em parceria com Gustavo Rosa e Tunico Rosa); “Rosa e Passarinho” (em parceria com Sérgio Santa Rosa); além das instrumentais “Porto da Ribeira”; “Rabiola”; “São João Pedro”; e Quase Folia”.
Esse novo trabalho de Osni Ribeiro está em CD e nas plataformas digitais e lojas virtuais.  A página oficial do cantor e compositor é @ribeiroviola. Quem desejar adquirir o CD falar diretamente com o artista por mensagem no facebook ou e-mail: osniribeiro@abacateiro.com.

Saiba mais

1099 – Para “transbordar corações”: Ivan Vilela recomenda Arredores ...

https://barulhodeagua.com
Disco lindo recomendo !!!!
Se vc gostou adquiri o original valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS 

domingo, 19 de agosto de 2018

THIAGO AMUD - O CINEMA QUE O SOL NÃO APAGA (EXCL.T B )

Postagem a pedido do seguidor do blog Raul de Passo Fundo -RS

O músico Thiago Amud é carioca da gema, mas bem que poderia ser mineiro, apesar de não ter nenhuma origem ou parentesco em Minas Gerais. O seu mais recente trabalho, o álbum O cinema que o sol não apaga, traz um pouco dessa paixão pelo estado. “Tenho muitos amigos queridos aí. Minas é, sem dúvida, o lugar do Brasil em que mais gosto de ficar. Não é demagogia porque estou falando com um jornal mineiro. Sou apaixonado por Belo Horizonte, por Minas Gerais de uma maneira geral.”

Quem lhe despertou esse sentimento tão intenso foi a obra de Guimarães Rosa (1908-1967) que, para Thiago, foi responsável por adensar sua consciência de brasileiro. Direta ou indiretamente, o autor de Grande sertão: veredas está presente em seu trabalho, tanto nos anteriores como em canções do novo disco – o xote Brasileia, O mundo imaginal, Cantilena alada e Nascença. Nas duas últimas, a mineiridade soa mais forte.
Em Nascença, além da marcha grave da congada, a música conta com participação de vários artistas mineiros no coro – Alexandre Andrés, Deh Mussulini, Pablo Castro, Rafael Martini, Jhê Delacroix, Gustavo Amaral (Gustavito) e Leonora Weissmann. “Milton, que é esse grande mistério, é outra referência, e o Nelson Ângelo, que é um compositor extraordinário e a quem dedico o disco, também é. Sem contar que Paixão e fé (Fernando Brant e Tavinho Moura) é uma das músicas mais importante da minha vida. Escrevi Nascença sob o impacto do amor por BH e acabou sendo muito natural convidar toda essa mineirada”, avisa.

A arte da capa de O cinema que o sol não apaga é da pintora mineira Leonora Weissmann. “Ela é um vulcão criativo. Comentei com a Leonora que gostaria de fazer alguma coisa inspirada nas gravuras do Goeldi, que ilustrou vários livros do Dostoiévski. E foi então que ela comentou que estava voltando a fazer xilogravuras. No dia seguinte, ela me mandou algumas extraordinárias”, lembra.

O disco de Thiago faz parte da seleção inaugural da nascente gravadora Rocinante, que já lançou o disco do artista mineiro Rafael Macedo e vai lançar os novos de Ilessi, Sylvio Fraga, Nelson Angelo, Letieres Leite e Guinga – é um mergulho no Brasil. Tem frevo, xote, bossa nova, toada e, como ele diz, “essa coisa brasileira multiforme”.

O nome O cinema que o sol não apaga tem provocado as mais diferentes interpretações e Thiago Amud tem gostado disso. Outro dia foi Caetano Veloso quem deu sua análise. “Ele comentou que se lembrou das suas sessões no interior da Bahia e que, quando saía do cinema, o sol era tão forte que não conseguia apagar da sua cabeça os filmes a que ele tinha assistido. É uma interpretação bem poética e ao mesmo tempo física”, diz.

Sempre presente na vida e na obra do cantor e compositor de 38 anos, a sétima arte é também um estímulo criativo. “Não é só a música de cinema, mas o próprio ritmo das cenas, a montagem. O nome do disco é um verso da primeira faixa, A mais bela cena, e virou uma espécie de centro gravitacional do disco”, explica.

O trabalho está disponível nas principais plataformas digitais e será lançado em CD e em vinil no segundo semestre. Traz 16 faixas, todas autorais. Apenas duas foram feitas em parceria – Brasileia, com Guinga; e Catirina desejosa, com Edu Kneip. Thiago Amud revela que nem todas as composições foram feitas especificamente para o disco, mas que acabaram entrando. “Desde que lancei meu último trabalho solo, há cinco anos, compus muita coisa. Daria para fazer uns três discos. Não é exagero.”

Por falar em “excessos”, O cinema que o sol não apaga reuniu 73 músicos em cerca de 350 horas de estúdio. A produção musical é de Ivo Senra. “Não é bravata, não. Foi isso tudo. É impressionante, não é? (risos). Mas deu tudo certo.

*texto extraído: https://www.uai.com.br
por Ana Clara Brant

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista
Download  (upload em 320kbps)
TERRA BRASILIS 

terça-feira, 14 de agosto de 2018

DIANA PEQUENO - DISCOGRAFIA PARTE IV


Adquiri o original valorize a obra do artista
www.dianapequeno.com
www.tratore.com.br


XAMÃ - 2017
Download
TERRA BRASILIS


SIGNO - 2017
Download
TERRA BRASILIS




JARDIM SECRETO - 2018
Download
TERRA BRASILIS

DIANA PEQUENO - DISCOGRAFIA PARTE III - TRILOGIA DAS ALMAS

* Se vc gostar de algum dos discos abaixo adquiri o original valorize a obra do artista.
www.dianapequeno.com
www.tratore.com.br

ALMA MOURA - 2016
Download
TERRA BRASILIS



 ALMA GÊMEA - 2016
Download
TERRA BRASILIS



ALMA CALMA - 2016
Download
TERRA BRASILIS

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

sexta-feira, 27 de julho de 2018

DIANA PEQUENO - DISCOGRAFIA PARTE I

Diana Pequeno é uma cantora e compositora brasileira que, desde criança, sentiu-se atraída pelas artes, pela literatura e pela natureza. Durante a infância, o que mais gostava de fazer era ler(encantava-se com os livros que lia na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, localizada no bairro de Nazaré, cidade de Salvador, no Estado da Bahia, onde nasceu),além de escrever, desenhar, brincar com personagens reais e/ou imaginários, e cantar. E assim é, até hoje. Diana é uma pessoa e artista singular: além de suas referências na música folk, latino-americana, ibérica e brasileira, tem uma ligação ancestral  com a música medieval, renascentista, barroca, celta, folclórica e oriental. O seu canto une tradição e modernidade, numa linguagem densa e contemporânea. É um mundo muito particular...Certamente, a música é um dom dado por Deus e não pode ser ignorado; para Diana, chegou naturalmente, ao descobrir o som da sua própria voz e perceber que poderia expressar seus sentimentos através do canto. O cantar lhe deu asas e um horizonte mágico e infinito. Aos poucos começou a escrever suas próprias canções, indo cada vez mais em direção à sua essência, para contar sua vida e seus sonhos, na linguagem do amor, da espiritualidade e da ancestralidade. Assim é Diana Pequeno: uma aquariana livre como um pássaro, a mirar o horizonte além; que sonha com um mundo onde os seres humanos, os animais, a natureza e o planeta, sejam respeitados e preservados. Acima de  tudo, é uma artista com alma, que canta a paz, a esperança e o amor infinito e universal. "Cantar é levar a alma a passear num bosque sagrado" ~Diana Pequeno~ "Fé de acreditar no Amor, de abraçar a esperança e de ver um mundo melhor" ~Diana Pequeno~

Namaste
 

cantora e compositora
Diana é uma cantora e compositora brasileira que, com seu estilo único e uma bela voz mezzo-soprano, abriu um caminho diferenciado na música popular brasileira. Seu estilo é rico e diversificado, com nuances de MPB, folk, pop, música latina e trova medieval. A música de Diana é a sua própria voz. Uma  voz matricial, que nos dá uma sensação de aconchego, de estar em casa, ao mesmo tempo em que nos pega pelas mãos e nos leva a mundos desconhecidos, nos leva a sonhar e libertar nossas almas. A necessidade de se expressar, de expandir sua criatividade  a quantidade de canções que vem compondo, levou Diana a lançar cinco discos novos. Primeiramente lançou a "Trilogia das Almas", com temas como o amor universal, a espiritualidade e a ancestralidade, sempre presentes em todo o trabalho de Diana. Cada álbum põe em destaque um tema: "ALMA GÊMEA" é o amor, "ALMA CALMA" é a espiritualidade  e "ALMA MOURA" é a ancestralidade. Todas as músicas refletem a busca pela PAZ, AMOR, FÉ, ESPERANÇA e LUZ.A estes discos, vêm somar-se "XAMÃ" que representa a alma plena, "SIGNO" simboliza a diversidade e "JARDIM  SECRETO" representa um jardim interior, íntimo e sagrado, onde guardamos nossos sentimentos  mais  profundos  e  onde  devemos  cultivar  nossas  emoções.                                  
  Biografia
1-)Nasce em Salvador - Bahia - Brasil.
 
2-)Faz o curso primário na Escola Ana Néry.
 
3-)Inicia-se nas letras, frequentando a Biblioteca Infantil Monteiro Lobato.
 
4-)Cursa o ginásio e o colegial(2º grau) no Colégio de Aplicação da UFBª.
 
5-)Cursa Engenharia Elétrica e Sociologia na UFBª.
 
6-)Cursa música no Seminário de Música da UFBª.
 
7-)Participa do Movimento Cultural de Salvador, cantando nas Mostras de Som da Universidade Federal da Bahia, onde aconteciam manifestações de teatro, dança, literatura e música.
 
8-)A gravadora RCA-VICTOR contrata, após seis meses de negociação, dando-lhe total liberdade de trabalho.
 
9-)Muda-se para São Paulo, onde grava seu primeiro vinil -1978.
 
10-)Lança seu primeiro vinil "DIANA PEQUENO", 1978, com grande sucesso de crítica e público, realiza espetáculos em teatros e projetos por todo o Brasil, além de inúmeras apresentações nas rádios e televisões do país.
 
11-)Participa do Festival da TV Tupy 1979,com a música "FACHO DEFOGO". Finalista.
 
12-)Lança seu segundo vinil, o barroco "ETERNO COMO AREIA", 1980.
 
13-)Participa do Festival da Globo 1980, com a música  "DIVERDADE".  Finalista.
 
14-)Lança seu terceiro vinil, "SINAL DE AMOR",  1981, um disco cheio de poesia e inventividade, onde utiliza instrumentos fabricados em sua própria casa.
 
15-)Lança seu quarto vinil, "SENTIMENTO MEU", 1982, seu disco mais introspectivo, onde seu lado autoral ganha mais espaço.
 
16-)Participa do Festival Yamaha, em Tokyo, 1982, onde faz uma apresentação estilizada com a música "PAPAGAIO DOS CAJUEIROS", considerada a mais original e criativa do evento.
 
17-)Viaja pela Europa, onde vive por algum tempo, dando uma pausa para amadurecer seu processo evolutivo e descobrir novas sonoridades.
 
18-)De volta ao Brasil, lança o compacto "MENSAGEIRO DA ALEGRIA" ,1984  e  em  seguida,  o  vinil  "O  MISTÉRIO  DAS  ESTRELAS",  1985.
 
19-)Estuda música na Pro Arte, Rio de Janeiro.
 
20-)Em São paulo, grava e lança seu primeiro LP vinil independente, "MISTÉRIOS", 1989.
 
21-)Realiza diversos shows pelo Brasil.
 
22-)No Rio de Janeiro, grava e lança o álbum "CANTIGAS", 2001, pelo selo Rádio Mec. Um disco especial, fruto de pesquisas, onde Diana passeia pela música brasileira do século XIX ao século XXI.
 
23-)Continua estudando e compondo.
 
24-)Após longo período de ausência , decide registrar suas canções mais recentes, desconhecidas do público. Diana costuma dizer: "- ao me calar, quem me chamou de volta foram os passarinhos a cantar na minha janela. Este é, sem dúvida, um chamado de Deus.
 
25-)Dá início ao registro de sua obra mais recente e o resultado até agora são cinco álbuns: "ALMA GÊMEA",  "ALMA CALMA", "ALMA MOURA",  "XAMÃ"  e  "SIGNO" que foram lançados entre 2016 e 2017 . Três discos são totalmente autorais (Alma Gêmea, Alma Calma e Xamã) e os outros dois (Alma Moura e Signo)uma mistura de suas composições com músicas de compositores da música popular brasileira e latino-americana, além de algumas canções folclóricas, características sempre presente no trabalho tão singular e diferenciado de Diana Pequeno.

Diana Pequeno 1978
Download



Eterno como areia 1979/1980
Download



Sinal de amor 1981
Download
TERRA BRASILIS