segunda-feira, 12 de novembro de 2018

REPOST DE PEDIDOS

GRUPO ALDEIA
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS

 HUGO FILHO
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS



MARCUS BIANCARDINI
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS

MUSICA RAIZ /CATIRA/FOLIA DE REIS
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS


LULA BARBOSA
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS


 LULA BARBOSA
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS


UBYRATÃ
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS


UBIRATAN FERRAZ
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS


 RENATO BRAZ
DOWNLOAD
TERRA BRASILIS

BRUNO CONDE - CONFINS

*texto:http://www.santos.sp.gov.br

“Pra mim, compor é sintonizar com outras dimensões. No lado prático, é a maneira que eu encontrei de me expressar, mas no lado filosófico é para evolução espiritual e pessoal. Criar é essencial pra mim, é o que me faz sentir vivo, útil”. E é assim que Bruno Conde, violonista, compositor, arranjador e professor de música, se sente ao fazer suas músicas.
O músico, desde pequeno, quando começou a aprender os primeiros acordes e a tocar músicas da lendária banda Legião Urbana, já começou a fazer suas primeiras canções. Como ele tinha o Legião como referência, ele compunha naquela pegada.
Então, em 2003, começou a tocar na noite como guitarrista de uma banda de rock e, por conta de alguns trabalhos que só pagavam duas pessoas, Bruno comprou um violão de aço. Aí que começa a história…Ele foi cruzando com pessoas que mudaram seu caminho (e repertório)! O primeiro foi Guilherme Marino. Quando começaram a tocar juntos, o cantor tinha em seu repertório clássicos da MPB, tipo Gilberto Gil, Tom Jobim, Caetano Veloso, Ivan Lins etc… Além disso, Guilherme lhe “apresentou” os novos da MPB, como costumamos chamar. Nomes como Marisa Monte, Paulinho Moska e Lenine estão entre eles. Então Bruno trocou o violão de aço pelo de nylon, deixou a unha crescer e nunca mais voltou ao início desse conto.
Em 2006, o músico conheceu o cantor Celso Lago e diz que ficou maravilhado, não só com a voz, mas com seu repertório. E o próprio Celso foi indicando os caminhos ao violonista, mostrando os grandes compositores. A partir daí o músico diz que nunca mais conseguiu voltar para o tradicional. “Você descobre um cara que canta, aí você pesquisa o compositor, daí descobre uma cantora relacionada a ele e isso nunca para, sempre tem mais gente para encontrar”.
Então Bruno, por conhecer o Celso, tocar e andar muito com ele, começou a compor imaginando o amigo cantando. Juntou algumas canções e eles lançaram o disco, chamado “Prisma”, em 2011.
Em 2012, Bruno Conde se reuniu com os amigos Kleber Serrado e Theo Cancello e, juntos, começaram a compor para o que viria a ser o Trio Ekoa. Paralelo a isso, eles se juntaram com o cinegrafista André Nunes e lançaram um projeto piloto de um Web Programa, chamado “Projeto Galpão”. A ideia do projeto era os três chamarem um convidado: “A gente sempre acreditou nessa ideia do coletivo. Se eu chamo você, junto meu público com o seu, seu público com o meu, todos saem ganhando”. Nesse projeto, os caras se juntaram com, Zé Luiz Mazziotti, Filó Machado, Arismar do Espirito Santo, entre outros. Eles tocavam uma música deles e uma música do convidado.
Em maio de 2014, o trio EKOA fez duas apresentações com a ORQUESTRA JOVEM TOM JOBIM e seu maestro titular ROBERTO SION, que orquestrou duas canções de autoria do trio. Os registros audiovisuais desta apresentação estão disponíveis acessando o Web programa PROJETO GALPÃO.
Esse projeto e o show com a orquestra incentivaram o trio a gravar o álbum EKOA, palavra que vem do Tupy e significa “reunião de amigos”, “celebração dos bons encontros”. Eles gravaram a essência do CD todo em dois dias. Ele diz que depois disso ele começou a gravar tudo “sem cortes”. Sempre que errava, voltava tudo do início. Então em junho de 2015 o disco ficou pronto e, logo em seguida, eles foram para a Europa, onde realizaram alguns shows na Inglaterra e França. Ao retornarem, eles lançaram oficialmente, em novembro de 2015, o EKOA.
Inspirado em diversos artistas, Bruno resolveu começar a gravar seu segundo CD, o CONFINS, em que fez parceria com diversos artistas de todo o país. Ao todo, esse projeto envolveu mais de 30 artistas, em uma compilação de 11 canções autorais e uma do compositor Tennyson. Ele lançou as músicas nas plataformas digitais (YouTube Spotify, etc), criou os famosos lyric vídeos e foi mais além: criou um song book com as partituras das suas canções e, hoje, o CD está tocando na rádio USP. Escuta só a brasilidade do rapaz.

Site – www.brunoconde.com
YouTube – www.youtube.com/bconde85
Facebook – www.facebook.com/bconde85
Instagram – www.instagram.com/brunoconde85

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

MURILO SILVESTRIM - PRISMA

Quando o festival gaúcho El Mapa de Todos decidiu modificar seu formato algumas pessoas demoraram a compreender os motivos. Entre as razões encontradas pela organização, uma delas tem ligação direta com o artista que ilustra a “Prata da Casa” desta semana: foco em música para ser ouvida sentada, em que o que se diz é tão ou mais importante do que como se diz.
Murilo Silvestrim é um destes artistas em que o exercício da audição conserva peso fulcral na absorção de seu lirismo, algo que o músico nascido em Maringá traz consigo dos lápis, cadernos, letras, versos e rascunhos. Escrever para Silvestrim é criar pontes, estabelecer relações que se escondem nas entrelinhas textuais, é procurar mecanismos de extrair algo mais do que as roldanas das fábricas do cotidiano nos impõem. Seja através dos contos, crônicas, poesias ou músicas, Murilo Silvestrim vem estabelecendo uma identidade única na arte feita em Curitiba.
Em Prisma, seu primeiro disco, o cantor abraça seu amigo violão em um passeio delicado por planos paralelos, refratando a luz, o som e nós. Das oito canções do álbum, todas composições próprias, e conta com uma parceria com seu irmão, Ju Silvestrim, além da participação de 15 músicos ao longo do trabalho. O trabalho de realização do disco filtrou ao menos 300 canções compostas por Murilo nos últimos cinco anos. O artista precisou estabelecer um filtro de forma a encontrar o eixo que guiasse a narrativa de seu primeiro registro.

Da infância, dos relacionamentos, da família e das pequenas coisas que lhe dão prazer na vida, Silvestrim fez inspiração para a obra, recheada de verdade e inúmeros sentimentos, sensações que exigem, como já dito no início desta coluna, a entrega à audição, o respeito e a paciência em captar as sutilezas de cada verso e de cada nota desprendida pelo cantor.
Se há pouco virtuosismo aos ouvidos acostumados a riffs escalafobéticos, Murilo compensa com a destreza de sua poesia acompanhada de arranjos suaves. A melodia exerce o papel de cadenciar as sílabas do cantor paranaense, que não se esconde em rodeios ou firulas, pelo contrário. Ele exibe a beleza da sinceridade artística de quem exprime sua verdade anteriormente guardada no peito.
Em A Linha Fria do Horizonte, Jorge Drexler diz que mudar-se para Madrid e passar a tocar no lendário Libertad 8 fez com que ele piorasse enquanto instrumentista, mas entendesse a importância de direcionar o olhar e de cuidar sobre o que dirá, qual o poder da palavra. Murilo Silvestrim parece já ter percebido, também, que para onde você dirige o que você diz é muito mais importante, é a melhor forma de se comunicar. E que artista não deseja, como início, meio e fim de sua obra, comunicar algo a seu público?
Lançado no início de agosto, Prisma está sendo distribuído pela Tratore. Já a direção técnica do álbum é de Guilherme Silveira, enquanto Fred Teixeira (Babi Farah) foi o responsável pela mixagem e masterização.
*texto Alejandro Mercado

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS

VICTOR MENDES - NOSSA CIRANDA

Primeiro disco solo de Victor Mendes, músico de São José dos Campos radicado em São Paulo. Com apenas duas músicas instrumentais, a maioria das canções é feita em parceria com o poeta Paulo Nunes. A influência da música regional, do rock, do jazz e da música folk está presente no disco, que não segue nenhum gênero específico, encontrando sua unidade justamente na diversidade das canções.
Muito bom !!
Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS  (LINK RESTAURADO)

terça-feira, 16 de outubro de 2018

CLÁUDIO LACERDA - CANÇÕES PARA ACORDAR O SOL (EXCL. T. B )


O CD Canções para Acordar o Sol nasceu do desejo de encontrar o caipira que existe nos compositores da urbanizada e sofisticada MPB. Entre eles Tom Jobim, Chico Buarque, Gonzaguinha e Ivan Lins. Cada vez mais, sonhamos reviver o homem em paz com a natureza, já quase improvável; mas que podemos revisitar por meio da música de muitos dos afamados compositores brasileiros nascidos e/ou vividos no asfalto. Ao final deste disco, o ouvinte há de concordar que o que faz um compositor caipira não é o lugar onde ele nasceu, mas o que ele guarda na memória e no coração. Participações especialíssimas de Rolando Boldrin e Mônica Salmaso.

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
 https://www.claudiolacerda.com.br

Download
TERRA BRASILIS

NÉLIO TORRES - BANXHURNA (EXCL. T. B )


Falar de Nélio Torres, é falar de talento, entusiasmo e...coragem! Coragem sim, porque é um lutador no meio artístico, e que pode, por seus méritos aparecer ao lado dos grandes advindos do nordeste como “Zeca Baleiro”, embora com a sua personalidade marcante nas letras de sentido profundo. Para ele minha admiração, meu respeito e meu carinho especial.
Niette de Lima


Cantor. Compositor. Violonista. Pesquisador musical e do folclore brasileiro. Mestre do Cavalo Marinho Estrela da Paraíba. Atuou como Educador Musical em creches e escolas da cidade do Rio de Janeiro, onde residiu entre os anos de 1987 e 2007. Depois, mudou-se para a cidade de Vitória, no Espírito Santo. Trabalhou no Banco do Brasil. No ano de 2008 lançou o DVD com o documentário "Dança do Toré", com pesquisa e entrevista sobre o ritual indígena das tribos e aldeias do distrito de Potiguara (gravado nas aldeias Aldeia Lagoa do Mato e Aldeia São Francisco), na Paraíba. Segundo ele:    "O Toré é um ritual religioso e cultural em que os índios, através da música e dança, invocam os espíritos, os deuses, para a cura de seus males e dores."   Em 2013 foi empossado como acadêmico na Academia de Letras e Artes da Serra por seu trabalho como pesquisador musical. Acumulou diversas premiações pelo MEC (Ministério da Cultura). Detentor de vários prêmios em diversas regiões do Brasil, entre os quais o "Título de Cidadão Espírito-Santense", pela ALES (Assembleia legislativa do Estado do Espírito Santo) no ano de 2014, em Vitória.

Saiba mais sobre Nelio Torres
www.neliotorres.com.br/

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS

TARITA DE SOUZA - A ÁRVORE E O VENTO

O disco de estreia da cantora, compositora, arranjadora e preparadora vocal Tarita de Souza é para o público que gosta de Ceumar, Mônica Salmaso, Titane, Consuelo de Paula e outras vozes que seguem a linha mestra da música brasileira sem modernices nem flertes com falsas revoluções. Formada em música pela Universidade de São Paulo (USP), ela rege corais e faz preparação vocal para teatro e shows. Cantou em espetáculos de Zeca Baleiro e Antônio Nóbrega. Fez trilhas para exposições, trabalha com projeções e cenários, atuou em espetáculos como uma montagem de 'Ópera do malandro', de Chico Buarque, e 'Lampião e Lancelote', de Bráulio Tavares.

Apresentado por Egberto Gismonti, que ressalta a brasilidade e a capacidade de atingir quem gosta daquilo que melhor nos representa, 'A árvore e o vento' é coprodução da cantora e do compositor e violonista Mário Gil e conta com um econômico e significativo grupo de músicos que inclui a flauta de Toninho Carrasqueira, o baixo de Ney Dias, o violão de Daniel Conti, o piano de Thais Nicodemo e André Mehmari (na instrumental 'Girando'), a viola caipira do mestre Ivan Vilela e a percussão de Kabé Pinheiro, entre outros afinados artesãos das notas, com a voz de Renato Braz num dueto em uma das melhores faixas, 'Dedal', dela e Zé Modesto.


O repertório equilibra bem a porção intérprete e a veia autoral. Das 10 músicas, cinco são dela, duas de autores da nova geração (Fred Martins e Elder Costa) e o restante obras inspiradas nem sempre lembradas pelas cantoras à procura de material. De Ivan Lins, vêm 'Canavial' e 'D. Benta'.

E de Gilberto Gil ela recupera 'Viramundo', das mais sertanejas da vasta obra do baiano: “Sou viramundo virado/ nas rondas da maravilha/ cortando a faca e facão/ os desatinos da vida”. A décima primeira é o poema “O carnaval e o vento”, de Jacira de Souza, espécie de abertura de portas para o Canavial, em que ela proclama/declama: “Tenho o dom de abrir portas e alçar mundos/ e ninguém pode sequer desconfiar”.

Como segue a linha de antigamente, em que música precisava ter melodia, letra, ritmo e harmonia, o disco valoriza letras bem construídas, com dois temas em que as palavras possuem força especial. No 'Poema velho', de Fred Martins e Manoel Gomes, a idade das coisas ganha valor diferenciado: “Velhos lagos nos invadem/ porque as nuvens são velhas/ mais velha é a cumplicidade/ porque o amor é tão velho/ é velho que nem a ira”.

E em 'Descontrolar', parceria dela com Zé Modesto, o discurso amoroso ganha ares sábios, entre fronteiras e “a tortidão sutil dos desviveres”: “Se nos ares insistires/ perfumares meus pomares/ esse meu coração/ tão cumpridor de convenções/ ligeiro vai caronar já já”. A poesia agradece e segue em frente, entre acordes e assovios.
texto: por Kiko Ferreira

Se vc gostou adquiri o original, valorize a obra do artista.
Download
TERRA BRASILIS